Telégrafo

Imagem

image

Anúncios

Carta de Intenções para um veraneio sem fim de 15 dias

Quero escutar somente reggae. Sempre tive inveja de surfista que vive de mar, e mar e praia combinam com reggae, por isso sempre resisti ao reggae. Pois nestes dias, decreto, que não toque outro ritmo nesta casa! Apenas reggae.

Reggae e o som das ondas, que atravessa duas quadras e meia até chegar na minha janela. Venha som das ondas, junte-se ao vocal do Bob Marley e desacelere a batida do meu coração! Tudo que quero escutar é reggae, ondas, e o coro dos sapos, que cantam nos bueiros a uma quadra daqui.

Aliás, se eu entendesse de música, comporia um reggae com os sons da praia: o apito do salva-vidas, as matracas e cornetas dos vendedores ambulantes, o plac-plac do jogo do frescobol, o canto das gaivotas.

Qualquer compromisso com a razão está adiado. Farei apenas o que a vontade mandar, se o corpo permitir, em acordo com a chuva e o Sol.

Ah, o Sol… Quero madrugar: às seis e meia estarei acordada. (Isso se o corpo deixar, pois o despertador será amordaçado nestes dias.) Madrugar não para pegar o Vila Jardim 430 rumo ao centro de Porto Alegre (hein?), mas para ver o Sol nascer como um Cebion num mergulho em reverse do azul do Oceano Atlântico para o azul do céu. Serei uma das poucas que acordaram para estar ali, porque para tantos outros o espetáculo do Sol nascente é a dose saideira da noite. Been there, done that. Meu longo dia de verão começa agora.

Sol

Quando eu espiar na mala, que a minha maior dúvida seja se calço a chinelinha preta, a dourada, ou a preta com dourado. Aliás, sempre que possível andarei descalça.

Quando eu pisar na praia,  que o mar me derrube num abraço como quem revê a velha amiga depois de um longo tempo. Tu vês, eu e o mar temos um relacionamento de longa data… Fui feita no Rio de Janeiro, aprendi a engatinhar nas areias escaldantes de Copacabana. Amo o mar.

No metro e meio quadrado que tomarei como meu paraíso particular, vou me besuntar de bronzeador com fps negativo e me estender na canga bordada de areia. E virar croquete. Quero fechar os olhos e escutar o vento coçando o mar, causando aqueles arrepios no mar que a gente conhece como ondas.

Ah, as ondas… Quero apostar corridas até a água. Pularei sete ondas, e mais sete. E a cada mergulho afogarei raivas, resignações, energias ruins e ganharei poderes de Mulher Maravilha. Quero pegar jacarés do jeito que o pai me ensinou na minha infância carioca. Muitos! Ficarei com os joelhos e a barriga esfolados! E a cada jacaré terei a certeza de que aquela foi “a melhor de todas as ondas da minha vida”. Quero sentir o repuxo do mar num buraco onde não dou pé, quero que me falte fôlego, para depois ter a sensação de que me salvei. Quero sentir a queimadura de mãe d’água, para nunca mais ter que temê-la.

Quero salgar a alma, os ossos, os lábios, a pele.

Quero um cabelo impossível de desembaraçar, um quase-dreadlock.

Quero tirar fotografias mal-enquadradas, sem foco e sem filtro.

chapeu

Vou construir castelos de areia que uma onda atrevida ou uma criança alegre irão destruir. Vou catar conchinhas que dificilmente se transformarão em alguma imaginada peça de artesanato, assim como os palitos de paletas e picolés que virão para casa aos baldes.

concha

Quero milho cozido temperado com margarina, sal e grãos de areia. E jogar baralho e conversa fora e fazer do pessoal do guarda-Sol ao lado amigos eternos cujo nome ou rosto não lembrarei no momento em que sair da praia.

Notícias? Só quero saber de Macondo. Quero um affair de verão com Gabo. Quero sofrer do mal do esquecimento, que atingiu Macondo depois da praga da insônia, e só lembrar, talvez, do que não tem importância. (Aliás, nem lembro se o prefixo da linha Vila Jardim é 430, 433 ou 431.) Depois de me atualizar sobre as andanças de Arcádios e Aurelianos, vou “me enroscar como um gato no calor da tua axila”, como Gabo ensina, pois é hora da siesta, o que deveria ser lei em todas as estações, em todo o Universo.

Vou caminhar de mãos dadas pela praia no fim do dia e me encantar com a pescaria dos pássaros, que mais parece um tango bailado com as ondas.

fishing

gone

Vou admirar a absurda beleza da areia molhada espelhando aquele Gre-Nal que é o céu azul e avermelhado do anoitecer. Vou tentar fugir do mar… e deixar que ele me abrace mais uma vez. Mais um mergulho. E mais conchinhas. Vou resgatar algum peixe asfixiado pelo ar aqui de fora.

Quero achar que a vida pode ser mesmo um quase-milagre.

Farei uma prece para Jah, Iemanjá, Deus, Alá, Pachamama. Vou escutar reggae. Meu coração vai… de-sa-ce-le-rar.

Viverei quinze dias “de Itapuã”. Sem ontem, nem amanhã.

pedra

O Presente

Na casa grande da cidade pequena, que guarda tantos objetos de tantas histórias, os ponteiros de um velho despertador, daqueles barulhentos e de números grandes, ainda marcam três horas. Seria da tarde? Da madrugada?
Neste quarto preguiçoso pouco importa que horas são. Assim como no relógio velho, quebrado, sem corda, aqui o tempo… parou.
E o único som que escuto é o de páginas sendo viradas.
Uma, duas, três…

Te espio. Sinto uma ponta de ciúmes do livro que te dei de presente. Está apoiado sobre o teu peito, meu lugar favorito no mundo, e nele prestas toda a atenção – e aquela ruguinha espremida entre teus olhos fica mais profunda a cada página. Como hoje meu único compromisso é com o nada, mergulho neste instante. Faço o que aprendi com a Yoga: me concentro na pausa entre inspirar e expirar, onde há um espaço de quietude, de permanência.

Estou presente.
Esse momento é meu, é nosso. Não é para ser compartilhado, curtido, comentado. Não tem fotografia que registre. A lembrança dele será a música das páginas sendo viradas uma a uma.

Este é o dia de que tanto falaram, quando “tudo ficaria bem”.
Hoje não há pressa. O celular e seu alarme ficarão calados. Aqui só está permitido o som delicado das páginas de um livro sendo viradas.
Este é o dia que me prometeste. Ele não acabará com um longo abraço de despedida. Hoje não haverá palavras soltas sem resposta em espaços vazios.

Daqui a pouco aviso que acordei da siesta e te peço para me contar um pouco da história, o que farás com entusiasmo. Em seguida quero um beijo, viro pro lado, finjo que volto a dormir. Só para continuar escutando as páginas sendo viradas.

E enquanto isso a saudade morre, esquecida em algum canto do quarto.

reloj Agora escuta este som: “Follow You, Follow Me” com Genesis.

Aconchego

Será anúncio de chuva
esse vento que gela?
Para de todo o resto me esconder,
e em ti me aninhar, um porquê.
Pois lá vem… beijando a minha janela.

********

(poema meu, que o concurso Poemas no Ônibus e no Trem não curtiu muito…)

********

E se gostas de poesia, tem mais aqui e aqui.